sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Omara Portuondo & Maria Bethânia

Há algum tempo fomos ao show de Maria Bethânia, em São Paulo. Mais precisamente, ao lançamento de seu cd 'Brasileirinho'. Há muito não ouvia Bethânia in loco até que, finalmente, voltei a vê-la em ação naquela performance fantástica, um verdadeiro marco para mim como espectador. Aquele espetáculo foi a confirmação inconteste do que já era sabido mas que, naquela noite em especial, foi de vez sacramentado (ao menos pra gente): Bethânia é, sem dúvida, uma das grandes cantoras da atualidade, uma artista extraordinária. Durante o concerto, eu e Lu fomos arrebatados pelo ritual mágico, momentos que literalmente lembravam-nos do 'porquê' de sermos músicos, de como era fundamental nos postarmos em relação a nossa arte, nosso ofício sagrado. A relação de Bethânia com sua música é inteira, clara, profunda, direta, e isso é raro e bonito.
D. Omara Portuondo é uma artista que pode ser contundente e terna, sutil e rascante, capaz de cantar uma cançao de ninar da forma mais delicada e um Guaguancó com swingue, potência e maestria sem iguais, e ainda por cima como se nada fosse! Omara representa da forma mais natural, respeitosa e legítima "aquela" Cuba; de Cachao Lopez, José Antonio Méndez, César Portillo de la Luz, Perez Prado, Ibrahim Ferrer, a da época dourada dos anos 50. Honra e faz questão de carregar a melhor tradução musical de seu país que vem desde Ernesto Lecuona, Leo Brouwer e outros bambas.
O DVD do show de Bethânia e Omara é de uma felicidade sem tamanho ao documentar esse encontro emocionante de duas das músicas mais sensacionais do globo ( junto com a americana) interpretadas por duas de suas mais inspiradas representantes. Nas palavras de Franck Padrón, de Cuba e Brasil é possível se dizer que são " de um pássaro, as duas asas". Isso é bem verdade, e ecoa também em diversos momentos do concerto registrado em "Omara Portuondo & Maria Bethânia Ao Vivo". Liguei para meu amigo Swami Jr. (grande violonista de 7 cordas e brilhante como um dos produtores musicais do projeto, com Jaime Além) e contei-lhe de meu orgulho e felicidade por ele, que aquilo era histórico e muito sério...
Cuba e Brasil são grandes, Omara e Bethânia que nos digam.

3 comentários:

Mecka disse...

Infelizmente,não encontrei ingresso para este show aqui em Salvador!
Sabia que era imperdível, entretando já ouvi algumas faixas e realmente é de emocionar...
Muito lindo!

rogerio santos disse...

Chico,
Muito bacana seu texto. Especialmente pela generosidade e cuidado em postar os links que propõe mais que a leitura, a viagem pelos sons e músicos citados.
Obrigado, meu caro !
A música é um dos pilares que ainda mantém nossa cultura de pé. E que nenhuma globalização emburrecedora seja capaz de mutilar isso nunca. É uma luta.

Abraços
Rogerio

Malini disse...

Chico, Parabens pelo Blog rapaz!
Sobre o trabalho da Bethânia especiamente, uma vez o J. Castilho me disse que quando entrou no estudio pra fazer o primeiro ensaio foi emocionante, e quando viu estava chorando!
Sem dúvida, ela é uma das maiores interpretes do Brasil!
Saudaçoes capixabas
MALINI
www.giovanimalini.com.br