segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Endless Searching/ Taking chances

We all should tip our hats to this great artist... even if it should be for only one reason, and that reason being "to take chances" . But certainly he deserves it for much more. Pat is and will always be one of the greats, not just nowadays but of all time.
Great video!

10 comentários:

Eduardo disse...

Chico, Parabéns pelo blog, venho acompanhado faz um tempo, aprendo muito aqui, e as dicas de o que escutar são ótimas!
Parabéns pelo seu trabalho como músico também, sou guitarrista e adoro suas linhas!
abraços!

Érico Cordeiro disse...

Chico,
Repito as palavras do Eduardo - embora não seja músico!
Comprei o cd do Metheny (pelo Amazon) e tô no aguardo - ouvi falar muito bem desse álbum.
Grande abraço e, quando tiver um tempinho, dá uma passada no jazz + bossa:

www.ericocordeiro.blogspot.com

Abração

Blog do Eit disse...

Haja hat pra tipá! Magnífico Metheny. Realmente fantástico. Mas tenho uma dúvida. É possível manter o suingue num "conjunto" desse tipo? Quando da improvisação da guitarra, por exemplo, os outros instrumentos não estão criando - me corrija se eu estiver errado - originalidade rítmica, melódica e tampouco harmônica. E, mesmo que antecriada, permanece a mesma ao longo da execução. Corre-se o risco de ficar, se ouvido ao excesso, uma coisa muito uniforme? Abs

Chico Pinheiro disse...

Valeu Eduardo, beleza Érico. Pois é, tb fiquei curioso para ouvir o cd quando vi o vídeo. Tenho escutado e achado super interessante. É bem a cara do Metheny.

C.

Chico Pinheiro disse...

É verdade Fábio... a coisa de fazer o overdub sobre o outro tira a interação espontânea de uma banda real, que tocando junto vai ser sempre mais viva do que qualquer overdub, em minha opinião.
Mas o que me chamou a atenção foi o fato de serem instrumentos REAIS, tocados mesmo ( e não samplers)... comandados pela guitarra.
Então, o prato de bateria é um prato de verdade, que é golpeado com uma baqueta que obedece o impulso elétrico vindo da guitarra. Uma coisa de louco... nesse aspecto, o Metheny faz um cd diferente dos demais... mas que incrivelmente continua a emular aquela concepção "Metheny" de banda... De forma geral curti muito, muito mesmo, acho um projeto super arrojado!

rogerio santos disse...

Pô Chico, tenho vários CDs do Pat lá em casa, e curto todos (e vou falar baixinho aqui... mais vários "baixados"...rs) Esse ainda não ouvi... Fiquei super curioso.

Abrasons, Rogerio.

Mecka disse...

Oi Chico,
Fiquei encantada com o resultado sonoro deste pedacinho do CD que vc nos trouxe.
Entendo bem como a guitarra comanda os teclados, mas fiquei intrigada com a bateria, se a marcação vem do toque na guitarra e não de algo previamente programado, quando ele fizer uma acentuação mais forte isso pode sensibilizar a batera em um momento ianpropriado(?) , se é que isso existe na concepção genial do Pat Metheny. Enfim, fiquei super curiosa e me lembrei dos laboratórios de Walter Smetak na EMUS em Salvador.
Abração,
Mecka

Chico Pinheiro disse...

Pois é Rogerio e Mecka. Exato, conforme se toca mais forte ou mais suave, os robôs obedecem e golpeiam os pratos, ou a caixa, ou qualquer parte da bateria com mais ou menos força.
Eu acho que essa tecnologia ainda tem muito pra crescer, ser aperfeiçoada... mas é de qualquer forma muito impressionante.
Bj
C.

Murilo Barbosa disse...

Pois é Chico, também fiquei impressionado ao ver o vídeo, e já baixei o CD... soa como um Pat Metheny Group mais atual, as músicas têm aquele clima progressivo que só o Pat consegue criar, milhares de compassos complicadíssimos, etc... acho que o suíngue continua lá! Fiquei contente de descobrir que você tem um blog, sou teu fã, estou colocando teu blog na minha lista de indicações de leitura no www.etcjazz.blogspot.com. Abraço.

Chico Pinheiro disse...

Opa Murilo,
Vc viu que bacana o cd?
Obrigado pelo comentário, e parabéns pelo seu blog, muito interessante!!!
Abraço grande
C.