sábado, 28 de novembro de 2009

Soundtracks

Outro dia comentava com um grande amigo músico sobre como o caminho das trilhas sonoras nos filmes vêm se modificando, se moldando nos últimos tempos, e como estas retratam tão bem uma época, sua contemporaneidade.
É interessante como Hollywood, por ser a maior e mais poderosa indústria cinematográfica do planeta, acaba funcionando como o grande termômetro, apontando tendências e estilos.
Durante a conversa reparávamos como as trilhas minimalistas vinham tornando-se mais e mais frequentes, aquelas com predominância de grooves, ritmos, mais modais... menos românticas, sentimentais, mais diretas e "sêcas", menos sinuosas. Vide "Cidade de Deus", ou "Ocen 11"... ou todas do Tarantino, fantásticas.
Mas é muito especial e mágico como algumas dessas trilhas podem nos marcar a tal ponto que nunca mais conseguimos esquecer aquela sensação, o impacto causado pela primeira exposição ao filme ou a uma cena. Muitas vezes isso acontece por causa da trilha... e na maioria das vezes nem nos damos conta disso ( segundo Alan Mencken, que trabalha com a Disney, isso é justamente um sinal de que a trilha é boa, quando não a notamos mas ainda assim nos emocionamos com ela).
Lembro bem que, mais do que das cenas, do roteiro ou dos atores, nunca esqueço do tema principal de Summer of '42 ("Verão de 42", que vi com meus pais na década de 80).
O mesmo aconteceu com "Lolita" de Kubrick, cuja trilha composta por Nelson Riddle marejaram meus olhos logo à primeira audição.
Quem não se lembra dos temas de Star Wars, E.T., o Terminal ( cujo tema principal é fantástico), Harry Potter, Indiana Jones, A.I, Jaws... todos de John Williams? Tenho uma paixão especial pela trilha de E.T.
Quando Elliot está na floresta à toda em sua bicicleta, com E.T. na cestinha da frente (refiro-me àquela sequência famosa: o inconfundível 'vôo com a Lua cheia ao fundo') no momento em que eles finalmente 'decolam' não há como não ir às lágrimas. Mas se reparamos bem, por trás daquela linda cena a trilha traz uma série de modulações e caminhos que vão nos 'conduzindo' até chegarmos finalmente no ponto culminante: o do "alçar vôo" , que é justamente quando a melodia desemboca no deslumbrate tema principal: incrível.
Mas a música pode ser para chorar, rir, ter medo... Henri Mancini (Pink Panther), Bernard Herrman ( Citizen Kane, Psycho, Taxi Driver), Lalo Schiffrin (Missão impossível, que alguns afirmam categoricamente ser de Moacir Santos), Bob Belden ( Black Dhalia), Vangelis (Blade Runner), Phillip Glass (Koyaanisqatsi, Mishima, Kundun). Johnny Mandel, que escreveu a comovente The Shadow of your smile (The sandpiper). Mandel, assim como Benny Golson, era também um grande compositor de séries de TV.
Artistas do universo Pop, como o irreverente Randy Newman, também deram suas contribuições. Este, por exemplo, compôs e interpretou a divertida "you've got a friend in me", do filme 'Toy Story'. Também criou os divertidos main themes para Bug's Life e Monsters S.A ( este último no melhor estilo "old Swing").
Há também os grandes europeus, como um Morriconne ( Cinema Paradiso, outra pérola), um Nino Rota ( The Godfather), o próprio Michel Legrand ( Verão de 42'), mais recentemente Alexandre Desplat ( The Curious case of Benjamin Button). E também os latino-americanos, que vêm ganhando espaço, como o recente vencedor de dois 'Oscar' (por Babel e Brokeback Mountain), Gustavo Santaolalla.
Mesmo quem não seja apaixonado pos trilhas, como eu, possivelmente terá (ainda que não lembre ou não saiba!) ao menos uma que lhe é especial, "aquela", do coração . E quando se ouve logo se identifica, pois vem aquele nó na garganta, um suspiro, um sorriso.... ou ainda melhor: todos juntos!

6 comentários:

Tiago M. D. Ferreira disse...

Chico,
Parabéns pelo seu blog e pelos seus excelentes posts, de que este é mais um exemplo! Escrevo de Portugal, onde vi você recentemente na Casa da Música com o Brad Mehldau (e hoje mesmo estive lá ouvindo o João Bosco com o Ricardo Silveira).

Espero que um dia desses visite meu blog, sobre Acústica:

http://viagensacusticas.blogspot.com/

Abraço de Portugal!

rogerio santos disse...

Chico,
Postagem linda e oportuna.
Minha trilha preferida é a de "Cinema Paradiso".
Foi o primeiro filme que me fez chorar no cinema.
Tenho uma outra que vc não citou, que muito me emocionou também, e que tenho em CD. É a trilha do filme "Antes da Chuva". Essa é de arrepiar também.

Grande Abraço
Rogerio

Chico Pinheiro disse...

É mesmo Rogério, essa trilha tb é muito boa (se for o filme que estou pensando, foi composta por Anastasia, é esse?).
Inclusive aquela região é de uma musicalidade surpreendente ( a Macedônia toda).
Boa lembrança!!!
Abs,
C.

Chico Pinheiro disse...

Tiago, obrigado pela carinhosa mensagem!
Já estou com saudades de Portugal.
Um abraço,
C.

rogerio santos disse...

Chico, é isso mesmo, do Anastasia.
O filme é extremamente poético e a trilha tem participação essencial no resultado final.

Grande Abraço,
Rogerio

PS: Fiquei até com saudade de revê-lo. Vou combinar com a Arlete, pq eu acho que tenho em VHS...rs

(Nossa, tô ficando mesmo velho... ainda tenho um video-cassete lá em casa...hehehe)

Aline Castro disse...

Que coisa boa encontrar este post por aqui. Sempre tive curiosidade em saber tua opinião sobre outras artes e esta conversa com o cinema ficou bonita.